No dia 31 de julho de 2015 foram realizadas as avaliações de carcaça por ultrassom de animais da raça Sindi, pertencentes à Prova de Ganho de Peso (PGP) da Associação Brasileira dos Criadores de Zebu (ABCZ), no recinto de exposições da Associação Norte – Rio Grandense de Criadores (ANORC), no município de Natal – RN.

Foram avaliados doze machos da raça Sindi, candidatos a reprodutores, com idade entre 14 e 15 meses, pesando em média 320 kg. As avaliações de carcaça realizadas por ultrassom consistiram da área de olho de lombo (AOL), espessura de gordura subcutânea no lombo (EGS) e na picanha (EGP) e gordura intramuscular (MARMOREIO).

A AOL tem alta correlação com a musculosidade e rendimento de cortes nobres da carcaça, sendo assim, quanto maior a AOL, maior o potencial do animal para produção de carne. A EGS está relacionada ao grau de acabamento do animal, ou seja, à quantidade de gordura de cobertura na carcaça. A EGP também é utilizada como indicativo de acabamento, porém sua grande utilidade está na detecção de animais precoces, tanto para acabamento, quando para reprodução.

A média encontrada para AOL nos animais avaliados foi de 61 cm2, porém com animais atingindo cerca de 70 cm2. Como base de comparação, em animais Zebuínos de corte, com idade ao redor de 18-20 meses, os valores de AOL ficam próximos a 60 cm2, sendo que valores superiores a este, nestas condições, indicam animais com alto potencial para deposição de músculos na carcaça. Sendo assim, ́podemos afirmar que os animais avaliados possuem grande potencial para produção de carne, uma vez que ainda encontravamm-se em fase de crescimento e já possuíam bons índices de deposição de músculos na carcaça.

Para espessura de gordura tanto no lombo quanto na picanha, os valores encontrados não foram altos, o que era de se esperar, uma vez que, como citado anteriormente, os animais encontravam-se em plena fase crescimento muscular, o que acaba por não priorizar a deposição de gordura na carcaça. Mesmo assim, pudemos observar que, em média, os animais apresentaram 3 mm de EGS e 5 mm de EGP, com animais atingindo 7 e 9 mm de EGS e EGP, respectivamente. A EGS é o tecido mais variável da carcaça, sofrendo grande interferência das condições ambientais, principalmente da nutrição. Devido as ondas de crescimento dos tecidos na carcaça a EGP tende a se depositar precocemente que a EGS, sendo um bom indicativo de precocidade. Os valores encontrados nos animais avaliados, confirmam esta afirmação e revelam animais bastante precoces para acabamento de carcaça.

O marmoreio vem sendo cada vez mais valorizados em mercados de cortes de alta gastronomia como churrascarias e boutiques de carnes especializadas por apresentar grande influência no sabor, suculência e maciez da carne. Essa característica vem sendo valorizada por alguns criadores de zebuínos, como forma de agregação de valor a carne desses animais.

Embora muitas pessoas atribuam a maior deposição de marmoreio a animais com grande deposição de gordura subcutânea, ou seja, com maior acabamento, isto não acontece na prática, visto que a correlação genética entre os dois locais de deposição de gordura na carcaça é praticamente nula. Isto significa que somente terá deposição de marmoreio animais com potencial genético para isso, independente do seu grau de acabamento. Além disso, a dieta tem grande influência para deposição de marmoreio na carcaça e deve ser especificamente voltada para este fim.

Animais que “não apresentam marmoreio” possuem valores abaixo de 2% (Figura 1). Portanto, valores acima deste apontam para animais com potencial genético para deposição de gordura intramuscular. Em nossas avaliações foram encontrados, em média, 1,7% de gordura intramuscular, porém com animais apresentando 3,15%, revelando, a presença de genética favorável para deposição de marmoreio em alguns animais da raça Sindi.

As avaliações de carcaça por ultrassonografia são essenciais para os produtores avaliarem o potencial genético do seu rebanho para produção de carcaça e carne de qualidade. As medidas de AOL, EGS, EGP e MARMOREIO são passíveis de seleção através de DEP ́s (Diferenças Esperadas na Progênie) e já vem sendo praticada por diversos programas de melhoramento genético brasileiros com a finalidade selecionar reprodutores geneticamente superiores para a melhoria da qualidade das carcaças e da carne produzidas nacionalmente.

Relatório: Bon in Beef - Consultoria em qualidade de carne.